PlayStation 4K, que tipo de desempenho podemos esperar?

0

Relatos de fontes dentro da Sony afirmaram que a PlayStation 4.5, também apelidada de PlayStation 4K é real e já está em fase de protótipo.

Jogos 4K não são uma possibilidade realista

Vamos já esclarecer um ponto. Independentemente de a Sony chamar chamar a esta consola, PlayStation 4K, não existe nenhum GPU (Processador Gráfico) moderno que possa ser integrado numa consola e oferecer 30 fps (frames por segundo) a 4K num sistema na fasquia de mercado dos 358€. Uma avaliação dos componentes da PlayStation original gera uma lista de materiais (BOM) de cerca de 108€ para os vários processadores. Mesmo se assumirmos que a arquitectura Polaris de próxima geração da AMD pode representar um aumento de 2.5x do desempenho, o aumento de corrente e taxas de frame não crescem milagrosamente. A Sony não está disposta a investir muito dinheiro no lançamento de hardware da PS4 (custo estimado de materiais total 297€ para um preço de lançamento de 358€) e a menos que a empresa mude essa filosofia, será sempre limitado o que poderão oferecer.

Claro que os 14Nm trarão melhorias reais, não serão é boas o suficiente, para por si só levar a um salto dos 1080p para 4K. Os nossos testes de desempenho com Metro Last Light Redux demonstram o porquê:

MetroLastLightRedux-Nano

Até placas de topo vacilam quando sobrecarregadas com trabalhos 4K. Claro que é possível melhorar estes resultados baixando o nível de detelhas, mas lembre-se — o GPU mais barato nesta lista é vendido por mais de 270€. As consolas são historicamente melhores do que os PCs a retirar o máximo desempenho do hardware low-end, mas o GPU dentro da PS4K ainda tem que estar neste intervalo de preços 90€ – 110€.

WattsPer

O gráfico acima mostra o mesmo teste Metro Last Light Redux, mas desta vez calcula o número de watts, utilizados para produzir cada frame. Um aumento de 2,5 vezes em desempenho por watt traria a Radeon Nano (o GPU mais eficiente da AMD até a data) até 7.6W por frame — ou seja, ainda seria necessário uma quantidade corrente de 230W para o GPU poder produzir 30 FPS em 4K constantes. E todas estas suposições são os melhores cenários — no dia a dia raramente são tão positivos.

O outro problema com a capacidade de renderização da PS4k é que provavelmente exigiria melhorias significativas de CPU e memória. Lembre-se, a ideia de uma actualização de uma consola é minimizar as alterações de hardware para permitir uma retro-compatibilidade tão perfeita quanto possível. A Sony ou a Microsoft poderia contornar isto com o uso de um CPU mais rápido, mas alterações da arquitetura do CPU são mudanças muito mais radicais. Os 8GB de RAM unificados da PS4 podem não ser suficientes para suportar títulos AAA em resoluções de 4K, o que significa que seria necessária também mais memória GDDR5 ou uma APU que pudesse suportar HBM/HBM2 — e nenhuma destas soluções é barata o suficiente para se ajustarem a este mencionado acima preço acima de US 70€ – 110€.

Dito isto, não há nada que impeça a Sony de oferecer saída de 4K por meio de um upscaler de hardware. Isto adicionaria latência, mas conseguiria correr jogos em 4K sem exigir nenhum aumento drástico de capacidade de processamento.

Se o "verdadeiro" 4K não estiver disponível, o que pode oferecer Sony?

A melhor aposta da Sony com qualquer actualização de hardware é oferecer alguma melhoria de desempenho mantendo as resoluções actuais e suportar simultaneamente a reprodução de conteúdo 4K. Trocar o leitor Blu-ray por um Ultra HD, adicionar suporte HDMI 2.0 para saída 4K, aproveitar o suporte de hardware HDR que a AMD está a intregrar no novo hardware de próxima geração, e temos aqui uma actualização de peso. 4K a 30 fps poderão não ser alcançáveis, mas 900-1080p a 60 fps provavelmente são. Novamente, pegando no aumento de desempenho de 2.5x por watt aclamado pela AMD e aplicando-o aos watts-per-frame para 1080p – o resultado final seria de 2.08W por frame, o que possibilitaria um output de 60 fps com um consumo total de cerca de 125W. Este valor está bem dentro dos parâmetros de consumos da consola. No mínimo, a PS4K deverá ser capaz de conseguir uns sólidos 30 FPS em 1080p sem desculpas ou atraso.

Passamos a maior parte do artigo a abordar o potencial para uma actualização de GPU, porque é o componente mais provável onde a Sony dedicará a maior parte do seu orçamento. Em teoria, um APU de 14nm poderia dar a empresa uma chance para mudar para o Zen ou pelo menos para espremer mais potência do CPU AMD Jaguar. Obviamente o Zen é uma caixa preta neste ponto, mas Jaguar é uma boa aposta.

NDPS4_8 - 640 x 476

A empresa poderia abordar isto de várias maneiras, incluindo CPU unificado de 8 núcleos (eliminando a quebra de desempenho considerável cada vez que um bloco de CPU acede à cache do outro), aumentando a velocidade do clock do actual 1.6GHz para algo na casa dos 2-2.4 GHz e trazendo o clock de cache L2 dos 800MHz actual ou para a velocidade completa do CPU ou pelo menos aumentando para 1-1.2 GHz para coincidir com os CPU mais rápidos. Outras melhorias poderão incluir uma opção de armazenamento SSD, possivelmente a um preço mais elevado.

Será uma PS4 com saída 1080p a 60 FPS e suporte para Blu-ray de próxima geração seria suficiente para interessá-lo? Se não, o que é preciso?

[ExtremeTech]

Leave A Reply