O super-telescópio CHIME está pronto

0

Foi concluída a instalação da última peça do super-telescópio Experimento Canadense de Mapeamento de Intensidade de Hidrogénio, conhecido como CHIME. A função deste telescópio, é mapear o espaço a um nível até hoje nunca alcançado, irá medir a composição da energia negra, a forma de energia mais misteriosa do universo, e a qual se suspeita está a promover a aceleração da expansão do universo.

Este super-telescópio, irá também ajudar a detectar ondas gravitacionais e analisar as emissões de ondas rádio que alcançam o nosso planeta, vindas dos confins do espaço, e as quais até agora não tiverem uma explicação plausível.

O projecto é o resultado de um árduo trabalho de 7 anos, e o super-telescópio composto por quatro peças de 100 metros de comprimentos, e não dispõe de partes móveis. Este, recorre ao movimento da Terra para capturar imagens instantâneas do universo à medida que o seu se movimenta.

O principio do CHIME, passa por detectar e medir a localização do gás de hidrogénio no espaço profundo, que é o elemento mais comum no universo, e assim através desta detecção, e graças à capacidade de trabalhar com enormes distâncias, poderá produzir o mapa 3D do cosmos, com o maior nível de detalhe que alguma vez existiu.

A função do CHIME não é produzir imagens para ganharem prémios de fotografia ou deliciar os amantes do espaço, e sim detectar qual a tonalidade da luz emitida pelas diferentes estruturas de hidrogénio, o que permitirá medir como o Universo se expandiu no decorrer dos últimos biliões de anos, e irá também nos permitir melhor entender a expansão do mesmo, e provavelmente até a Energia Negra.

Uma vez que o volume de dados a ser adquirido pelo super-telescópio é gigante, irá ser necessário comprimir estes por um factor de 100 000, apenas para se poderem gravar num disco, uma vez que o volume é equivalente aos dados que produzimos em todas as redes móveis a cada momento. O CHIME partilha também alguns componentes com os nossos telemóveis do dia-a-dia, e as placas gráficas dos nossos computadores.

Leave A Reply