O nascer de uma super-nova

0

As super-novas são explosões que ocorrem nas profundezas do espaço, estas emitem tanta energia e luz que se observarmos atentamente o céu, pode aparecer um ponto brilhante onde antes não estava nada, como se uma nova estrela tivesse nascido.

Contudo, isto está longe de ser a realidade, acredita-se que as super-novas acontecem quando uma estrela gigante “morre” e é “engolida” pela sua própria gravidade, ou seja, quando uma estrela “rouba” o gás a outra estrela. Em ambos os casos as super-novas surgem de forma diferente, mas com características muito comuns, uma explosão potente que consegue “rasgar” o corpo das estrelas e produzir elementos químicos pesados, contou assim o jornal espanhol ABC.

Algo parecido com isto já aconteceu com esta super-nova “bebé”. Ela nasceu há cerca de 160 milhões de anos, numa galáxia conhecida como NGC 7610 e os telescópios conseguiram captar a sua luz no dia 6 de Outubro de 2013. Neste relatório, publicado no Nature Physics, os cientistas explicaram que esta observação é a primeira onde se puderam detectar as primeiras etapas de uma super-nova, apenas três horas depois da sua explosão.

Ofer Yaron, que é o primeiro autor do estudo e também investigador no Instituito Weizmann de Ciência, em Israel, afirmou que quando viram as imagens no telescópio souberam à partida, que “teriam algo realmente único entre as mãos”, uma vez que puderam assistir a este evento desde muito cedo. Deu-se o nome a esta super-nova de SN 2013fs, vai tentar perceber-se mais sobre as primeiras etapas das super-novas e, ao mesmo tempo, tentar perceber também o que aconteceu às grandes estrelas no momento antes da sua morte explosiva.

Assim, segundo os dados deste relatório, foi a explosão de uma estrela super-gigante vermelha que originou a criação de uma super-nova do tipo II, que são as mais comuns. Esta estrela ficou rodeada por um disco de material durante um ano, antes de explodir. Depois, no seu “acto final”, perdeu os seus elementos de gás e de massa e colapsou o que, por sua vez, originou a super-nova.

Os problemas para os cientistas são que não se consegue prever quando ou onde é que uma super-nova se irá produzir, motivo pelo qual o mais natural é que se observem as super-novas quando já se dispersaram. Até ao momento, a super-nova mais recente tinha uma semana de vida (isto sem contar com a sua luz, que é emitida há milhões de anos).

Agora, a mais jovem observada, tinha apenas três horas de vida. As super-novas são passíveis de ser observadas apenas durante um ano, até que o seu brilho se extinga.

Leave A Reply