Novo material quântico funciona de forma similar ao cérebro

0

Foi descoberto por uma equipa de cientistas, um novo material quântico que poderá representar o futuro da inteligência artificial. Este novo material não se limita a armazenar números infindáveis de informação, em vez disso, e como o cérebro o faz, tem a capacidade de esquecer informação.

O cérebro humano é computador mais complexo e poderoso conhecido pela humanidade, e um dos mecanismos que o tornam tão singular é a nossa capacidade de esquecer coisas, e é este fenómeno que aparentemente é reproduzido pelo material conhecido como nickelato de samário.

Esta funcionalidade é extremamente importante, pois apesar de o cérebro ter uma gigante capacidade de armazenamento, esta tem um limite, e o único motivo pelo qual o cérebro é tão eficiente, prende-se com esta capacidade de esquecer.

É extremamente complicado criar um material que sequer se aproxime a esta capacidade de esquecer do cérebro humano, mas parece que este material em específico consegue imitar este comportamento de uma forma incrivelmente similar.

O material analisado, nickelato de samário, faz parte do tipo conhecido como perovskita quântica, que é uma estrutura atómica de cristal que começa a apresentar mudanças a nível da sua condutividade eléctrica, à medida que é manipulada pelos cientistas.

O método pelo qual o material é manipulado, prende-se com a exposição deste a hidrogénio a fim de alterar os seus protões, afectando a sua composição. Quando um protão (H+) é removido da perovskita (SmNiO3(SNO)), a estrutura atómica do material expande-se ou contrai-se drasticamente a fim de o acomodar.

Embora estes materiais tenham uma estrutura demasiado pequena para representarem o futuro da computação, são certamente a base para o futuro da mesma, isto devido ao facto de à medida que este material altera a sua composição, o material se adapta, e as suas respostas eléctricas alteram-se por forma a responder à manipulação de protões.

Este é um novo exemplo da utilização dos materiais quânticos, e daquela que poderá ser a base para o futuro da computação e da inteligência artificial.

Leave A Reply