Nova espécie de orangotango encontrada na Indonésia

0

O nome é “Tapanuli”, e “foram observados pela primeira vez há 20 anos, durante uma expedição às montanhas da ilha da Sumatra, mas só agora se comprovaram as diferenças”.

Esta nova espécie de orangotango foi identificada na Indonésia, representando uma esperança para a conservação destes animais, assim anunciou a comunidade científica, esta semana, na passada Quinta-Feira.

Os “Tapanuli” (de nome cientifico Pongo tapanuliensis) foram observados pela primeira vez há 20 anos, durante uma expedição às zonas remotas das montanhas da Sumatra, mas só agora os investigadores conseguiram estabelecer as diferenças para os orangotangos da Sumatra (Pongo abelii) e do Bornéu (Pongo pygmaeus).

O trabalho de investigadores locais e internacionais, das universidades de Zurique, Suíça e Liverpool (John Moores), Inglaterra, foi divulgado no jornal científico Current Biology, que dá também conta da existência de uma população de 800 indivíduos, daquela que é considerada a linha mais ancestral dos orangotangos em vida que se conhece.

“Havia apenas sete grandes espécies de primatas, sem contar com os humanos. Por isso, acrescentar outra a uma lista muito pequena é espectacular, é algo com que os biólogos sonham”, afirmou à BBC, o professor Michael Krutzen, de Zurique.

As principais ameaças às populações de orangotangos selvagens incluem a caça, destruição do habitat e comércio ilegal de animais para uso de estimação. E segundo os cientistas, restam pouco mais de 100 000 orangotangos em todo o mundo, sendo que o rápido crescimento do ritmo de devastação, permite fazer a previsão que a extinção da espécie ocorrerá em algumas décadas.

Depois de descoberta esta população, os investigadores conseguiram agora recolher algumas amostras de ADN, que permitiram reconstruir a sua origem através dos seus códigos genéticos. Foi também recolhido um crânio, de um animal que havia sido morto por populares, no ano de 2013, e que permitiu estabelecer as diferenças para os orangotangos da Sumatra e os do Bornéu.

Comment