Nova definição de Planetas pode salvar Plutão!

0

Cientistas da NASA acabam de propor uma nova definição para planetas, e esta é uma grande notícia para o pequeno Plutão! Se esta nova definição, que pode consultar neste documento, for aprovada, não só Plutão será novamente considerado um planeta, mas também o serão mais de 100 outros corpos celestes no nosso Sistema Solar, incluindo a nossa própria Lua!

A base para esta alteração e aquela para a qual a equipa espera obter aprovação é que, para ser considerado como um planeta, o corpo celeste não precisará de estar a orbitar o Sol, em vez disso deverão ser tidas em conta as propriedades físicas e não a sua interacção com as estrelas.

“De acordo com a classificação científica e a intuição das pessoas, propomos uma definição geofísica de “planeta” que enfatiza as propriedades físicas intrínsecas de um corpo, em vez das suas propriedades orbitais extrínsecas”, explicou a equipa liderada por Alan Stern, investigador principal da missão New Horizons a Plutão.

Em 2006, Plutão foi “demovido” para planeta anão, em resultado de uma reescrita da definição de planetas. Aqui está a definição de um planeta no nosso Sistema Solar de acordo com a International Astronomical Union (IAU):

“Um corpo celeste que (a) está em órbita ao redor do Sol, (b) tem massa suficiente para sua auto-gravidade para superar as forças rígidas do corpo de modo que este assume uma forma de equilíbrio hidrostático (de forma quase redonda), e (c) tenha libertado a vizinhança em torno de sua órbita “.

Stern, pensa que não é correto manter esta definição, definida por um astrónomo, que estuda múltiplos corpos celestes e fenómenos cósmicos, em vez de uma criada por um cientista planetário, de cujo foco principal são planetas, luas e sistemas planetários. É equivalente a ir a um cardiologista, para tratar uma dor de dentes.

“Mesmo sendo ambos médicos, eles têm especialidade diferentes”, disse ele. “Deveria ser dada atenção antes a cientistas planetários que sabem algo sobre este assunto. Quando olhamos para um objecto como Plutão, não sabemos o que mais lhe chamar”.

Portanto, a equipa de Stern redigiu uma nova definição de um planeta para ser submetida à IAU para consideração, que afirma:

“Um planeta é um corpo de massa sub-estelar que nunca sofreu fusão nuclear e que tem auto-gravitação suficiente para assumir uma forma esferoidal adequadamente descrito por um elipsóide triaxial, independentemente de seus parâmetros orbitais”, e se quiser uma versão mais simples do mesmo, será algo como, objectos redondos no espaço menores do que estrelas.

Embora pareça uma definição bastante vaga, é precisa o suficiente para cobrir apenas os corpos celestes pretendidos, e é baseada na física do mundo em si, em vez de sua interacção com objectos externos.

Esta nova definição, se for aceite, tornaria Plutão de volta num planeta, mas também muitas luas, incluindo nossa companheira, em planetas. Um problema gigantesco com a definição actual, é que esta só se aplica ao nosso próprio Sol, o que significa que todos os outros planetas em outros sistemas solares e galáxias, não são considerados planetas.

Embora a IAU ainda tenha de aprovar a definição recentemente proposta, estamos ansiosos para que tal aconteça, para que possamos ter o nosso velho amigo Plutão de volta na categoria dos Planetas.

Comment