A incrível ciência das boxes de Formula 1

0

As boxes de Formula 1 são incríveis, e funcionam com uma eficiência incrível, e a Williams acaba de bater a barreira dos 2 segundos. Na Formula 1 todos os segundos contam, e com as limitações de velocidade à saída das boxes, faz uma paragem com menos de dois segundos, ser perfeitamente incrível, e a Williams conseguiu fazê-la, mas como foi possível?

A box é a zona onde a equipa pode fazer a diferença para o piloto, e ajuda-lo a conquistar a melhor posição na corrida, e embora normalmente só prestemos atenção ao Piloto, existe uma equipa de cerca de 20 mecânicos perfeitamente coordenados, que fazem uma diferença colossal para a corrida do piloto.

A equipa de mecânicos pratica a operação centenas de vezes ao longo da temporada de Formula 1, e tal como a competitividade deste desporto exige, todas as equipas querem ser a mais eficiente, para no fim poderem ser um factor positivo no resultado final da corrida para o piloto.

Desde que o reabastecimento durante a corrida foi banido do desporto em 2010, as paragens nas boxes sofreram uma diminuição expressiva na duração, tendo atingido nos últimos dois anos a barreira dos incríveis três segundos, mas a Williams Martini Racing deu um novo passo e conseguiu alcançar a paragem de box mais rápida da história, 1.92 segundos.

Depois de cada paragem nas boxes, esta é analisada ao detalhe, desde a performance dos mecânicos, à ergonomia e performance do equipamento que estes utilizam, tudo é contabilizado para tentar atingir a máxima performance. Qualquer erro na box, poderá custar diversos lugares a um piloto tal como aconteceu com Daniel Ricciardo no Monaco em 2016, quando a sua equipa não tinha os pneus a postos para serem colocados no carro.

A directora da Williams Martini Racing acredita que com muito treino, para todas as situações imprevistas que podem acontecer durante uma paragem nas boxes, a equipa conseguirá atingir uns incríveis 1.6 segundos para toda a paragem na box. A incrível quantidade de operações que são realizadas nesse curto espaço da paragem, é completamente impressionante, ora vejamos, o carro é levantado à frente e atrás, os mecânicos desapertam as rodas, quatro mecânicos tiram os pneus velhos, outros quatro mecânicos montam os pneus novos, e os mecânicos voltam a apertar as rodas, o carro é posto no chão e parte das boxes.

Com a quantidade e complexidade da intervenção é necessário que a equipa mantenha toda a atenção e coordenação para que tudo possa ser realizado no menor tempo possível e uma vez que o tempo médio de reacção do ser humano comum é de cerca de 200 milissegundos, que é precisamente a duração de tempo na qual o mecânico desaperta os pneus, cada milissegundo é essencial.

Com base no artigo do Wired.

Leave A Reply