Estudo de caso alerta para que pare de utilizar cotonetes para limpar as orelhas

0

Caso precise de mais do que um motivo para parar de limpar os ouvidos com cotonetes, o encontro de um homem com uma infecção grave e potencialmente fatal no crânio poderá ajudá-lo a tomar essa resolução.

Num relatório de caso de 2019, os médicos detalham como um homem saudável de 31 anos de idade foi levado para o departamento de emergência do hospital numa ambulância após colapsar.

Ao chegar, ele sofreu convulsões e os exames físicos demonstraram que este estava confuso, sonolento e encontrava-se num estado alterado de consciência.

Mais tarde, ele revelou que sentiu dores de cabeça e náusea por vários dias, durante os quais se esforçou para lembrar os nomes. Um pouco mais preocupante, ele admitiu sentir “dor intermitente no ouvido esquerdo e perda auditiva” nos últimos cinco anos.

Quando os médicos realizaram uma tomografia computorizada ao crânio do homem, descobriram abcessos cheios de pus no tecido ao redor do cérebro e a descarga de um de seus ouvidos revelou o culpado por detrás da infecção: Pseudomonas aeruginosa, um patógeno perigoso que causa doenças.

Nesse caso, a equipa médica acredita que P. aeruginosa foi responsável pela condição do homem, chamada otite externa necrosante (OEN, também conhecida como otite externa maligna), que afecta os tecidos do canal auditivo externo (CAE).

Mas como é que esta bactéria desagradável entrou no crânio do homem?

Um exame físico ao canal auditivo do homem sugere a resposta mais provável: um fragmento de um cotonete que ficou preso na cabeça do homem por tempo indeterminável – provavelmente durante anos, segundo o padrão dos sintomas anteriores de dor e perda auditiva detectados.

O risco de infecções se desenvolverem a partir de corpos estranhos alojados dentro da CAE é um fator de risco para otite externa (inflamação do canal auditivo, também conhecida como ‘orelha do nadador’), explicam os pesquisadores no seu relatório, mas nunca foi documentado como causador de OEN.

Felizmente para o paciente, a remoção do cotonete e uma enorme quantidade de antibióticos administrados ao longo de oito semanas para tratar da infecção corrigiram os sérios problemas neurológicos que este enfrentava.

“Ao concluir o ciclo de antibióticos, o paciente permaneceu sistematicamente bem, sem deficit neurológico e sem sintomas residuais de ouvido”, escreveram os autores.

“Mais importante, ele deixou de utilizar cotonetes para limpar os ouvidos!”

Embora a dura lição do homem possa provocar alguma divergência de opinião, os pesquisadores dizem que sua experiência é apenas a evidência mais recente de por que as pessoas não devem colocar coisas nos seus ouvidos, mesmo que pretendam limpá-las internamente (o que realmente não é necessário) .

“A utilização de cotonetes dentro do ouvido é comum e há muito tempo é reconhecido por causar várias complicações, incluindo trauma, perfuração da membrana timpânica, blocos de cera, infecção e retenção do cotonete”, afirma o relatório.

“O presente caso reitera ainda os perigos da utilização de cotonetes e a importância da remoção de corpos estranhos, se identificados na CAE”.

Fonte: ScienceAlert

Comment