330TB na palma da mão

0

A IBM e a Sony juntaram-se agora num projecto que levou à criação de uma solução de armazenamento com capacidade para guardar 330TB num espaço físico muito pequeno. Há uns anos atrás era necessário um armazém inteiro para guardar apenas 5MB de informação, hoje, 330TB cabem na palma da mão.

Ainda que os sistemas de armazenamento mais comuns tenham uma capacidade a rondar o 1TB, a indústria já se adiantou uns largos passos relativamente a esta marca. Mais recentemente, uma equipa conjunta de colaboradores tanto da IBM Research como da Sony, conseguiu criar uma pequena fita magnética capaz de armazenar 330TB de ficheiros. O mais impressionante deste feito, é o tamanho do dispositivo, que envergonha muitos dos discos externos de 500GB actualmente presentes no mercado.

Esta fita é pequena o suficiente para caber na palma de uma mão, assim, esta drive, cujo limite anterior era de “apenas” 15TB, consegue agora guardar o equivalente a 3.379 cópias comprimidas de todos os artigos presentes na Wikipédia. Este componente não foi desenvolvido para o utilizador comum, mas sim para servidores e centros de dados. A técnica poderá, no entanto, ser reproduzida à escala na criação de versões para o mercado de consumo.

A fita por si só é o truque, por cada polegada quadrada (2,54 cm x 2,54 cm), esta consegue guardar 201GB, ou seja, 20 vezes mais do que o máximo conseguido anteriormente. A equipa responsável pelo projecto explica que, para atingir este patamar, teve de se desenvolver um lubrificante novo que ajudasse a suavizar os movimentos dos componentes, melhorando, assim por consequência, as velocidades de leitura deste dispositivo. Em adição, foram ainda desenvolvidas novas técnicas que permitiram reduzir o espaço entre a fita e a cabeça magnética.

A IBM adiantou ainda que, com este novo sistema, vai ainda beneficiar com uma nova estratégia de armazenamento entre camadas de nanopartículas, ou seja, vai ser possível duplicar a capacidade de armazenamento desta ficada a cada dois anos, ao longo de, pelo menos, uma década.

Leave A Reply